Morro do Caeté

Trilha e praia

Para os que adoram estar em meio à natureza, opção não falta nesta cidade maravilhosa. No litoral da zona oeste, entre os bairros do Recreio dos Bandeirantes e do Grumari, fica a Prainha e lá tem, além de um visual estonteante, uma trilha.

 

Mirante do Caeté

O mirante fica no Parque Municipal Ecológico da Prainha, bem pertinho do mar. É uma área de proteção ambiental com 107 hectares.

A palavra “caeté” é de origem tupi e significa “mata virgem”. Não há outro nome melhor para este lugar paradisíaco. O Parque da Prainha fica trilha morro do caetecolado com o Parque Estadual da Pedra Branca. Toda a região é coberta de Mata Atlântica original. Bem próximas à Prainha ficam as praias selvagens cariocas.

 

Trilha do Morro do Caeté

A trilha do Morro do Caeté começa próximo ao estacionamento da Prainha e tem dois caminhos. O que segue pela direita é bem fácil e qualquer pessoa consegue fazer, uma simples caminhada pela natureza. O caminho que segue pela esquerda é mais complicado e requer bastante atenção. Você também pode dar a volta completa passando pelas duas trilhas.

Qualquer uma das trilhas que você escolher é bem acessível e o caminho todo é sinalizado. A melhor opção é ir pelo caminho da esquerda e voltar pelo da direita, caso você escolha fazer todo o percurso.

Toda a trilha tem 2,5 km e pode ser feita em apenas 30 minutos. É tranquilo levar crianças a partir de 7 anos para fazer este passeio.

A vista que se tem o Mirante do Caeté é muito linda. É possível ver a Praia do Secreto e toda a orla do Recreio com a Praia da Macumba e a linda Pedra do Pontal. O mar lá de cima parece ainda mais incrível.

 

Curta o dia na Prainha

Um ótimo itinerário para este passeio é chegar bem cedo, o Parque da Prainha abre ás 8h, e ir logo fazer a trilha. A entrada do parque é gratuita. Depois você pode aproveitar para dar um mergulho no mar.

Quando bater a fome é só aproveitar os quiosques da praia. Leve um saquinho e recolha todo o seu lixo. Não se esqueça de que se trata de uma área de proteção ambiental. Ajude a preservar o lugar.

 

Como chegar ao Parque Municipal Ecológico da Prainha

De carro: o parque fica na Av. Estado da Guanabara, nº 58. Ela começa na Estrada do Pontal, na altura da Estrada Ver. Alceu de Carvalho.

De bicicleta: Há uma estação na Praia do Recreio, na Praça do Pontal. São 2 km pedalando até o Parque da Prainha.

Se você não tem carro pode usar o SurfBus, um ônibus que leva surfistas e turistas para a Prainha. Ele sai do Largo do Machado em quatro horários fixos: às 7h, às 10h, às 13h e às 16h. A volta acontece às 11h30, às 14h30 e às 17h30. Ele funciona todos os dias da semana.

Você pode chegar ao Largo do Machado de metro, as duas linhas existentes servem para você.

Açude do Camorim

Desvendando

No Parque Estadual da Pedra Branca tem muita coisa legal pra fazer. O maior parque natural urbano do mundo fica na zona oeste da cidade do Rio e tem montanhas e praias e muitas trilhas para você explorar tudo.

 

Açude do Camorim

Um dos lugares mais procurados no Parque da Pedra Branca é o Açude do Camorim. Ele fica a 435 metros de altitude e tem um quarto do tamanho da Lagoa Rodrigo de Freitas. O açude foi construído na primeira década do século XX e até hoje abastece parte da zona oeste da cidade.

É um lugar lindo pra conhecer em meio a Mata Atlântica com jequitibás de 300 anos de idade. Você encontrará o açude em uma vale entre as serrasaçude do camorim do Quilombo, do Nogueira e o Pico do Sacarrão. Bem próximo a ele existem algumas cachoeiras.

Camorim é uma palavra que vem do tupi e quer dizer “mata com muitos mosquitos”. Ou seja, não se esqueça do repelente.

 

Trilha do Açude do Camorim

O melhor jeito de explorar tudo isso ao máximo é fazendo a trilha do Açude do Camorim. O nível de dificuldade é fácil/ leve. Muitos idosos e crianças passeiam por lá. São apenas 3 km de caminhada sombreada o tempo topo pelas árvores.

A trilha começa no final da Estrada de Camorim. O início da trilha é bem sinalizado. É necessário fazer um registro de entrada no escritório do parque, por questões de segurança. É fácil seguir a trilha. Como ela é muito usada, o caminho é bem marcado. Em 2h30min você faz todo o percurso de ida e volta. No caminho você passará pela Cachoeira de Camorim.

No ponto mais alto do Açude do Camorim se tem uma vista esplêndida. Diante de você estará o Parque da Pedra Branca, o Maciço da Tijuca e a Pedra da Gávea.

Não é permito tomar banho no açude, já que a água dele serve para o abastecimento de residências na região. Há também o perigo dos sumidouros.

Apesar de ser uma caminhada leve não é recomendável para pessoas sedentárias. Leve um saquinho para recolher todo o seu lixo. Ajude a preservar o Parque da Pedra Branca fazendo a sua parte.

 

Como chegar no Açude do Camorim

O bairro do Camorim fica próximo ao Recreio dos Bandeirantes e Jacarepaguá. A Estrada de Camorim começa na Estrada dos Bandeirantes, entre o Rio Centro e o Projac da Rede Globo.

De ônibus: As linhas 348 e 368, ambas Castelo x Rio Centro, fazem parada no início da Estrada de Camorim. Use como referência a Escola Municipal Des. Ney Palmeiro. A estrada tem aproximadamente 3 km de extensão.

De carro:
Vindo pela Linha Amarela: Pegue a saída que segue para o Rio Centro. Acesse a Estrada dos Bandeirantes em direção à Curicica.
Vindo pelo Recreio: Saindo da Avenida das Américas, pegue a Avenida Salvador Allende em direção ao Rio Centro. Antes de chegar ao Parque dos Atletas entre à esquerda para pegar a Estrada dos Bandeirantes e siga em direção à Curicica.

Morro do Archer

Muito mais

O Parque Nacional da Floresta da Tijuca é dividido em quatros setores. No setor A fica a Floresta da Tijuca, segunda maior floresta urbana do mundo.

Na Floresta da Tijuca você encontra a Cachoeira das Almas, o Circuito das Grutas, o Pico da Tijuca, a Cascatinha Taunay, o Pico do Bico do Papagaio e muito mais para explorar a natureza e aproveitar este refúgio de paz em meio ao caos da cidade grande. Outra atração muito procurada é o Morro do Archer.

 

Morro do Archer

O Morro dos Archer é uma das belas elevações que você pode encontrar na Floresta da Tijuca. O Circuito das Grutas passa por ele e você pode conhecer a Gruta do Archer.

Ele te dá uma vista maravilhosa do Pico da Tijuca.

Morro do Archer

 

Trilha do Morro do Archer

A trilha para o Morro do Archer começa no Bom Retiro. Este é o mesmo lugar onde começam as outras trilhas que levam para o Pico da Tijuca e o Pico do Papagaio.

O nível de dificuldade é médio. O trajeto, ida e volta, tem poucos mais de 2 km e pode ser percorrido em menos de 2h.

Pegue a trilha que leva para o Pico do Papagaio. Quando você chegar à primeira bifurcação, siga pelo caminho da esquerda. São apenas 20 minutos de caminhada subindo até chegar ao topo do Morro do Archer.

As trilhas da Floresta da Tijuca são todas bem sinalizadas e você ainda pode pegar um mapa no Centro de Visitantes. Nos finais de semana muitas pessoas passeiam por lá. Não há perigo nenhum de se perder por ali.

Leve bastante água e um lanche leve. Não se esqueça de recolher todo o seu lixo e não deixar nada pra trás.

 

Quem foi Archer

Manoel Gomes Archer era um engenheiro e major da Guarda Nacional. Foi dada a ele a tarefa de gerenciar o reflorestamento da Floresta da Tijuca em 1862. O Major Archer recrutou seis escravos para plantar as mudas e em treze anos 100 mil mudas foram plantadas lá.

O reflorestamento foi feito por decreto imperial de Dom Pedro II para salvar as nascentes locais, que estavam ameaçadas pelo avanço do cultivo do café.

 

Como chegar à Floresta da Tijuca

O acesso principal do Setor Floresta da Tijuca fica na Praça Afonso Vizeu, no Alto da Boa Vista.

Pra quem vem da Barra da Tijuca: Suba em direção ao Parque pela Estrada Furnas, que começa na Estrada da Barra da Tijuca na altura da Praça do Aleijadinho. Depois do Corpo de Bombeiros a estrada muda de nome para Rua Boa Vista.

Pra quem vem da Tijuca: Suba para o Parque pela Av. Édison Passos, que começa no final da Rua Conde de Bonfim.

De Ônibus: As linhas indicadas são:
301 – Rodoviária x Barra da Tijuca
302- Rodoviária x Recreio dos Bandeirantes
345 – Praça Mauá x Barra da Tijuca
448- Maracaí x São Conrado

De metro: Vá a estação Uruguai usando a linha 2. Lá você pode pegar um dos ônibus que passam na Praça Afonso Viseu

Ruínas do Humaitá

Também tem história

Se você gosta de estar próximo à natureza, não precisa ir muito longe para aproveitar um refúgio maravilhoso em meio a grande cidade.

 

Floresta da Tijuca

Bem vindo a segunda maior floresta urbana do mundo. A Floresta da Tijuca fica no setor A do Parque Nacional da Floresta da Tijuca. Lá é um ótimo lugar para você fugir da correria do dia a dia e tirar um final de semana ou feriado para aproveitar a natureza.

 

Ruínas do Humaitá

A região que hoje compõe a Floresta da Tijuca já passou por muitas transformações. Se você tivesse conhecido o lugar até primeira metade do séculoruinas do humaita XIX, teria encontrado por lá fazendas de café, pequenos engenhos e europeus refugiados das guerras napoleônicas construindo suas casas.

Em 1861, o imperador Dom Pedro II baixou um decreto para o reflorestamento de toda região com o objetivo de salvar as nascentes do lugar. Assim começou o processo de remoção das casas e em 1862 o reflorestamento já acontecia.

Ainda hoje você pode encontrar por lá os resquícios da história da floresta e da cidade. É um passeio muito divertido, já que é cultural e ecológico.

 

Trilha até as Ruínas do Humaitá

Vá até o restaurante A Floresta, na Estrada dos Picos. Perto dele começa o Caminho das Grutas, que levará você pelo Morro do Archer e pela Cascata Diamantina. Pouco depois da cascata, você chegará às Ruínas do Humaitá.

A trilha é leve e não apresenta grandes desafios. Crianças a partir de 7 anos já podem fazer.

O lugar é ótimo para fazer um pique nique. Aprecie a natureza, ouça o som dos pássaros e, se você der sorte, pode até encontrar alguns “moradores” locais. Só não se esqueça de que você está em área de preservação ambiental. Leve um saquinho e recolha todo o seu lixo.

 

Trilhas na Floresta da Tijuca

Além das Ruínas do Humaitá, também tem a trilha da Cachoeira das Almas, a trilha do Morro do Archer, e o Circuito das Grutas. Se você estiver pronto um desafio a mais, pode fazer a trilha do Pico da Tijuca que começa no final da Estrada dos Picos.

 

Como chegar à Floresta da Tijuca

De ônibus: Pegue um ônibus para ir até a Praça Afonso Viseu, onde fica a entrada do Setor A do parque. Se você optar por seguir andando, deve acrescentar quase 1h de caminhada até o Centro de Visitantes.
301- Barra da Tijuca x Rodoviária
302- Rodoviária x Recreio dos Bandeirantes
345- Candelária x Barra da Tijuca
448- Maracaí x São Conrado

De metro: Vá até estação Uruguai usando a linha 2 (laranja). Lá você pode pegar um dos ônibus que passam na Praça Afonso Viseu.

De carro:
Saindo da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa no final da Rua Conde de Bonfim com o nome de Avenida Edison Passos.
Saindo da Barra da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa na Estrada da Barra da Tijuca, próxima à Praça do Aleijadinho, com o nome de Estrada das Furnas.

Morro Dois Irmãos

A vista é maravilhosa

Há muitos lugares legais para você aproveitar a exuberante natureza carioca. Na zona sul do Rio, fica o Morro Dois Irmãos, entre os bairros do Leblon, do Vidigal e São Conrado.

 

Morro Dois Irmãos

O Morro Dois Irmãos é uma formação de gnaisse semelhante ao Pão de Açúcar e ao Morro do Corcovado. Ele tem 539 metros de altitude acima do nível do mar. Ele ganhou esse nome porque tem dois picos.

Devido a sua altura, ele pode ser visto de várias praias da zona sul, principalmente de Ipanema e do Leblon. A vista lá de cima dele também é incrível. morro dois irmãosÉ possível ver quase toda a zona sul da cidade, o Corcovado, a Pedra da Gávea, o Arpoador e a Lagoa Rodrigo de Freitas ganha um formato de coração.

 

Parque Natural Municipal do Penhasco Dois Irmãos

As terras vizinhas ao Morro Dois Irmãos foram usadas como área de pasto e lavoura entre os séculos XV e XVI e, depois, viraram canaviais até o final do século XIX. No começo dos anos 30, passaram a lotear os terrenos para ocupação urbana e assim surgiu o Alto Leblon.

Em 1992, criaram o Parque Natural Municipal do Penhasco Dois Irmãos para proteger o remanescente de vegetação natural e a fauna local. O parque é completamente movido à energia solar.

Dentro do parque há algumas espécies ameaçadas de extinção, como alguns tipos de orquídeas e bromélias. Por lá vivem os micos-estrela e esquilos.

É uma área verde de lazer com boa infraestrutura. Pequenas trilhas se espalham pelo lugar e você pode caminhar por elas para apreciar a natureza. Não é incomum ver pessoas se exercitando por ali.

Todo o espaço é bem sinalizado e limpo. Pode ser um destino pra quem quer levar as crianças para passear.

Uma boa pedida para conhecer bem o lugar é pegar um bicicleta na estação da Bike Rio que fica em frente ao Posto 12 da Praia do Leblon e ir pedalando até lá.

O parque fica dentro do bairro do Leblon e pode ser acessado pela Avenida Visc. De Albuquerque, na altura da Praça Atahualpa.

 

Mirante Dois Irmãos

O mirante fica dentro do Parque Natural Municipal do Penhasco Dois Irmãos. É um lugar lindíssimo que você pode conhecer de manhã ou no cair da tarde, pra fugir do sol forte. A vista não é a mesma que a do topo do Morro Dois Irmãos, mas é tão bonita quanto.

 

Como chegar ao parque do Morro Dois Irmãos

De metro: a estação mais próxima é a General Osório em Ipanema. Lá você pode pegar o ônibus 435- Gávea x Grajaú que segue pela Av. Gen. San Martin e no ultimo ponto da rua.

De ônibus: Qualquer linha que passe pela Praia do Leblon serve. Desça no ultimo ponto, perto da Praça Atahualpa.

De bicicleta: Além da estação no Posto 12 tem também uma na Praça Cazuza e outra na Praça Antero de Quental, todas bem próximas ao parque.

De carro: Vindo por São Conrado é só seguir pela Av. Niemeyer e entrar na Av. Visc. De Albuquerque. Quem vem por Ipanema deve seguir pela praia até o final. Se você vem pela Gávea, pegue a Visc. De Albuquerque no final da Rua Rodrigo Otávio.

 

Trilha do Morro Dois Irmãos

Para conhecer melhor o lugar, você pode fazer uma trilha até o topo. Não é muito difícil e se você já subiu o Morro da Urca, vai ser tranquilo. Esta é a melhor forma de aproveitar a natureza e a vista incrível que só o Morro Dois Irmãos pode te oferecer.

Cachoeira das Almas

Beleza e aventura

A Floresta da Tijuca é o lugar perfeito pra quem quer estar próximo à natureza, mas não pode fazer viagens para isso. A Floresta da Tijuca fica bem no coração da cidade e oferece diversas atividades para aventureiros experientes e iniciantes.

 

Cachoeira das Almas

Umas das coisas mais legais pra se fazer por lá é visitar a Cachoeira das Almas. Você pode driblar o calor do verão com sombra e água fresca em meio ao ar puro e a tranquilidade.

O nome surgiu no final do século XIX. Havia muita perseguição aos praticantes de religiões afro-brasileiras e então eles procuravam lugres isolados cachoeira das almaspara realizarem os seus cultos. Um dos lugares escolhidos foi o Vale das Almas onde fica a cachoeira.

A Cachoeira das Almas é a cachoeira liberada para banho mais conhecida da Floresta da Tijuca

 

Fazendo a trilha até Cachoeira das Almas

A Cachoeira das Almas fica na Praça Afonso Viseu, a 3 km da entrada do Parque Nacional da Floresta da Tijuca.

A trilha da Cachoeira das Almas é bem fácil e pode ser feitas por crianças a partir de 7 anos. São apenas 10 minutos partindo do restaurante A Floresta na Estrada dos Picos e você pode ir até ele de carro.

Você também pode começar a trilha próximo à Cascatinha Taunay e seguir pelo Caminho das Almas. As trilhas ali são bem sinalizadas e você não corre risco de se perder. Há também a opção de pegar um mapa no centro de visitantes do parque. Se você escolher fazer todo o circuito, levará em torno de 4h para completa-lo.

Você passará por lugares históricos onde se vê algumas ruínas. Todo o circuito tem nível de dificuldade fácil e pode ser percorrido com uma caminhada leve.

Por ali também começa a trilha que leva ao Pico da Tijuca e ao Tijuca-Mirim.

 

Como chegar ao parque

De ônibus: Pegue um ônibus para ir até a Praça Afonso Viseu, onde começa a Estrada dos Picos. Se você optar por seguir andando, deve acrescentar quase 1h de caminhada até o Centro de Visitantes.
301- Barra da Tijuca x Rodoviária
302- Rodoviária x Recreio dos Bandeirantes
345- Candelária x Barra da Tijuca
448- Maracaí x São Conrado

De metro: Vá a estação Uruguai usando a linha 2. Lá você pode pegar um dos ônibus que passam na Praça Afonso Viseu.

De bicicleta: Pra quem tiver muita disposição tem as bicicletas da Bike Rio. Na tijuca, você pode pegar uma na estação de metro Uruguai ou na Praça Xavier de Brito. São aproximadamente 8 km até a entrada do parque.
Quem for sair da Barra da Tijuca pode usar a estação da Praça Prof. José Bernardino, que fica na altura da Praia do Pepê. Por aqui fica em torno de 9 km até a entrada do parque.

De carro:
Saindo da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa no final da Rua Conde de Bonfim com o nome de Avenida Edison Passos.
Saindo da Barra da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa na Estrada da Barra da Tijuca, próxima à Praça do Aleijadinho, com o nome de Estrada das Furnas.

Circuito das Grutas

Muita aventura e beleza

A Floresta da Tijuca é um ótimo refúgio para quem quer escapar do caos da cidade grande ou do calor intenso em um final de semana. Há diversas trilhas com níveis de dificuldade diferentes para todo mundo aproveitar um dia em meio à natureza.

O Circuito das Grutas é um dos passeios mais apreciados por lá. As formações rochosas de gnaisse são belíssimas esculturas da natureza que existem há milhões de anos.

 

Trilha pelo Circuito das Grutas

São mais ou menos 4h de caminhada, dependendo do seu ritmo, para fazer todo o circuito. A trilha começa no restaurante A Floresta, na Estrada dos Picos. Todo o caminho é bem sinalizado e você ainda pode pegar um mapa no centro de visitantes, então não há perigo de você se perder.

O nível de dificuldade é fácil e já é recomendado para crianças acima de 7 anos acompanhadas de um adulto. Só é preciso bastante atenção na entrada das grutas para não se machucar.

A primeira que você vai encontrar é a pequena Gruta do Belmiro e logo em frente fica a Gruta do Archer. A distância entre as grutas não é muito grande. Há mais quatro grutas ao longo do caminho: a Gruta dos Morcegos, a Gruta Bernardo de Oliveira, a Gruta Gabriela e a Gruta Paulo e Virgínea.

No meio do caminho você passará pelo Rio Archer um córrego de águas limpas e tranquilas. Seguindo mais a frente, depois da Gruta Gabriela, você encontrará a Cascata Diamantina. É uma queda d’água que fica dentro de uma pequena gruta. Boa para relaxar o corpo e a mente.

Seguindo pela Estrada Major Archer no sentido oposto ao dos carros, você chegará à Vista do Almirante, um mirante com vista para a Pedra da Gávea.

Há vários lugares legais para fazer um pique nique ao longo do Circuito das Grutas. Mas não se esqueça de você está em uma área de preservação ambiental e não deixe nenhum lixo por lá.

Você também pode aproveitar para conhecer as Ruínas do Sítio Humaitá.

circuito das grutas

 

Trilhas na Floresta da Tijuca

Além do Circuito das Grutas, também tem a trilha da Cachoeira das Almas. Se você quiser um desafio a mais, pode fazer a trilha do Pico da Tijuca que começa no final da Estrada dos Picos.

 

Como chegar ao parque

De ônibus: Pegue um ônibus para ir até a Praça Afonso Viseu, onde começa a Estrada dos Picos. Se você optar por seguir andando, deve acrescentar quase 1h de caminhada até o Centro de Visitantes.
301- Barra da Tijuca x Rodoviária
302- Rodoviária x Recreio dos Bandeirantes
345- Candelária x Barra da Tijuca
448- Maracaí x São Conrado

De metro: Vá a estação Uruguai usando a linha 2. Lá você pode pegar um dos ônibus que passam na Praça Afonso Viseu.

De carro:
Saindo da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa no final da Rua Conde de Bonfim com o nome de Avenida Edison Passos.
Saindo da Barra da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa na Estrada da Barra da Tijuca, próxima à Praça do Aleijadinho, com o nome de Estrada das Furnas.

Bico do Papagaio

Ainda na floresta da tijuca

Quem gosta de aventura e não tá podendo ir muito longe encontra na Floresta da Tijuca uma grande variedade de trilhas para estar em contato com a natureza da melhor forma possível. A floresta da Tijuca fica no Setor A do Parque Nacional da Floresta da Tijuca e liga a zona sul à zona norte da cidade.

 

Trilha do Bico do Papagaio

O nível de dificuldade é médio, pois há escalaminhadas em alguns pontos da trilha. Se você não tem muita experiência, vá lá ao final de semana que é quando há mais pessoas por lá e alguém pode te dar uma ajuda.

O Bico do Papagaio tem 989 metros de altitude e é o segundo ponto mais alto do parque. Ganhou esse nome por causa do seu formato, mas já foi trilha bico do papagaio rjchamado de Pedra do Dente pelos índios que residiam nesta região.

Ela começa ao final da Estrada dos Picos. Quando chegar à primeira bifurcação, siga pela esquerda, pois o caminho da direita leva para a trilha do Pico da Tijuca.

A primeira parte da trilha é bem suave e você terá a sombra das árvores de Mata Atlântica ao seu favor. Mas depois que passa do Morro da Cocanha, o percurso começa a ficar mais complicado e começam as escalaminhadas.

Um dos pontos mais famosos do caminho é a Fenda do Inferno, que segue por uma trilha alternativa, a Serrilha. A passagem de 80 cm de altura e 1,40 metros de largura entre duas rochas na beira de um abismo não ganhou esse nome à toa.

Do topo do Bico do Papagaio a vista é incrível. É possível ver a Pedra da Gávea, a Praia da Barra da Tijuca, O maciço da Pedra Branca, a zona norte e parte da zona sul, o Morro do Corcovado e, se o céu estiver claro, a Serra dos Órgãos no horizonte. Um 360º maravilhoso.

 

Trilhas na Floresta da Tijuca

Na Floresta da Tijuca você também encontra o Circuito das Grutas e a trilha da Cachoeira das Almas, que são mais fácies e bem divertidas.

Se ficou animado com essa aventura, conheça também a trilha da Pedra da Gávea, no setor C do Parque Nacional da Floresta da Tijuca.

 

Como chegar à entrada da Floresta da Tijuca

A entrada do setor A do parque fica na Praça Afonso Viseu no Alto da Boa Vista.

De ônibus: Você pode ir de ônibus até a Praça Afonso Viseu, onde começa a Estrada dos Picos e depois seguir andando. Acrescente mais 1h de caminhada.
301- Barra da Tijuca x Rodoviária
302- Rodoviária x Recreio dos Bandeirantes
345- Candelária x Barra da Tijuca
448- Maracaí x São Conrado

De metro: Vá a estação Uruguai usando a linha 2. Lá você pode pegar um dos ônibus que passam na Praça Afonso Viseu.

De carro:
Saindo da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa no final da Rua Conde de Bonfim com o nome de Avenida Edison Passos.
Saindo da Barra da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa na Estrada da Barra da Tijuca, próxima à Praça do Aleijadinho, com o nome de Estrada das Furnas.

Zoológico do Rio de Janeiro

Turismo e diversão para a criançada

Tem muita coisa legal para fazer na zona norte do Rio de Janeiro, como conhecer o grande Maracanã e se divertir na Feira de São Cristóvão. Pra quem gosta de estar mais próximo da natureza, não pode perder a oportunidade de conhecer o Zoológico do Rio de Janeiro.

 

O zoológico do Rio de Janeiro

O zoológico do Rio tem muita história e começa na década de 1880. O Barão de Drummond construiu um grande jardim em Vila Isabel com lagos e riachos artificiais no estilo francês, semelhante ao Parque Lage. Ele tinha permissão para importar animais de diferentes lugares e assim começou um pequeno zoológico.

Mesmo após a morte de Drummond o zoológico continuou funcionando, mas infelizmente fechou em 1940 por falta de recursos. Cinco anos mais tarde, o zoológico foi reaberto, agora na Quinta da Boa Vista.

Rio zoo - zoologico rio de janeiro

 

Rio Zoo

A Fundação Rio Zoo fica dentro do parque da Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão. Ela é a atual responsável pela administração do zoológico.

 

350 espécies para conhecer

Nos 138 mil m² de parque arborizado, moram 350 espécies de animais vindos de diferentes lugares do mundo. Há várias espécies nativas do cerrado, da região amazônica e do pantanal, além de outros continentes como a África e a América do Norte.

Muitas das espécies que você pode encontrar por aqui estão ameaçadas de extinção.

No “Viverão” há vários tipos de aves em semiliberdade e você pode andar pelo lugar no meio delas. Conheça também a Casa Noturna, um lugar especial para a observação de animais de hábitos noturnos.

São 70 mil visitantes por mês. O lugar fica mais cheio durante as férias escolares e nos finais de semana.

 

Uma curiosidade

O conhecido Jogo do Bicho surgiu no zoológico de Drummond. Ele começou a usar o jogo para ajudar no custeio da manutenção do lugar em 1900. Logo pela manhã, um pequeno animal era colocado no portão da entrada numa gaiola coberta por um pano. Quem comprasse o ingresso ganhava um número que correspondia a um animal. No final do dia era feita a revelação e divulgado o ganhador.

 

Funcionamento

De terça a domingo, das 9h às 16h30min. A entrada custa R$6. Crianças com menos de 1 m de altura entram de graça. Há meia-entrada para maiores de 60 anos e estudantes.

 

Como chegar ao Zoológico do Rio

O Zoológico do Rio fica na Quinta da Boa Vista. Entrando pelo portão principal, siga para a esquerda dando a volta no Museu Nacional.

De trem: Vá até a estação de São de Cristóvão Todos os ramais da SuperVia passam por ela. A estação fica em frente ao portão principal do parque.

De metro: Usando a linha 2 Botafogo – Pavuna, vá até a estação de São Cristóvão. A estação fica em frente ao portão principal do parque.

De bicicleta: A estação da Bike Rio mais próxima fica na Avenida Maracanã, perto das estações de metro e de trem.

De ônibus: Qualquer ônibus que passe pela Radial Oeste pode ser usado. Há mais de 20 linhas que fazem este trajeto.

De carro: A melhor via de acesso é a Radial Oeste que começa na Praça da Bandeira.

Ilha de Paquetá

Uma beleza escondida

Pela cidade do Rio de Janeiro, há várias linhas. A Ilha de Paquetá fica na Baía de Guanabara, próxima à Ilha do Governador.

A palavra “paquetá” tem origem na língua e tupi e significa “muitas pacas”, um roedor de médio porte.

 

A ilha e o arquipélago

A Ilha de Paquetá é a principal ilha de um pequeno arquipélago, que leva o mesmo nome, formado por outras 15 ilhas: Braço Forte, Casa da Pedra, Comprida, dos Ferros, das Folhas, Manguinho, Pancaraíba, Pita, Itapacis, as ilhas de Jurubaíba, Brocoió, Redonda e Sol (ou Itapuama). Apenas as trêsilha de paquetá últimas tem algum tipo de edificação.

Na Ilha de Brocoío fica uma das residências alternativas do governador do estado. A Ilha do Sol foi usada por muitos anos como refúgios para os naturistas. A praia do Abricó, em Grumari, na zona oeste da cidade, também é usada como área de nudismo nos finais de semana.

A Baía da Guanabara tem, ao todo, 23 ilhas de vários tamanhos diferentes.

 

A Ilha de Paquetá

Ela era habitada pelos índios tamoios que se aliaram aos franceses contra os portugueses. Várias batalhas aconteceram na Baía de Guanabara durante o século XVI. Uma delas deu origem à cidade de Niterói e outra está ligada à Ilha do Governador.

Até a chegada da família real em 1808, a Ilha de Paquetá pertencia ao município de Magé. Alguns anos depois, ela foi anexada ao “município da corte” e passou a ser considerada como um bairro da cidade do Rio de Janeiro.

Dom Pedro I adorava visitar a Ilha de Paquetá e a chamava de Ilha dos Amores. Durante muitos anos ela foi considerada um destino turístico romântico.

Hoje, toda a ilha é uma área de preservação do ambiente cultural.

 

O que fazer em Paquetá

Parque dos Tamoios

Fica no litoral norte da ilha, na Praia dos Tamoios. É uma bela área verde ajardinada com pérgolas. O parque foi criado na primeira metade do século XX para homenagear os primeiros moradores da lha.

Passeio de Charrete

É o mais tradicional passeio da ilha e a melhor forma de conhecê-la.

Árvore Maria Gorda

É um baboá centenário de origem africana com 7 m de circunferência. Fica na Praia dos Tamoios.

Praça de São Roque

É o endereço da capela de São Roque, o padroeiro da ilha. Ela foi inaugurada em 1698. Na praça também fica o Poço de São Roque. Há uma lenda que diz que se você beber da água do poço pensando na pessoa que você ama, então esta pessoa também irá te amar.

Pedra da Moreninha

O romance de Joaquim Manuel de Macedo, A Moreninha, do século XIX foi um dos responsáveis pela popularização da ilha. O mirante é citado no livro e por isso foi nomeado assim. Fica no final da Praia da Moreninha e pode ser acessado por uma escada de madeira.

 

Como chegar à Ilha de Paquetá

A única forma é usando o serviço das barcas. Elas partem da Praça XV no centro da cidade. A viagem dura cerca de 70 minutos. Nos finais de semana a saída acontece a cada 1h30min. O primeiro horário (sentido Paquetá) é às 7h. O último horário (sentido Rio) é às 23h. A tarifa é de R$5.

A estação de metro mais próxima à Praça XV é a Carioca. Há uma estação da Bike Rio próxima à área de embarque e desembarque das barcas.