Lumiar

Interior delicioso

Na cidade de Nova Friburgo, região serrana, fica o distrito de Lumiar. São apenas 3h de viagem, cobrindo os 150 km de distância da capital do estado pela RJ- 122.

 

Conheça Lumiar

Lumiar é um lugar singelo, bem pacato e com um clima bucólico. Lá os verões são agradáveis e os invernos são intensos. Lumiar fica em área de Mata Atlântica, fazendo parte da Reserva Florestal de Macaé de Cima, onde fica a nascente do Rio Macaé.

As matas com suas cachoeiras, a tranquilidade da vila, as tradições da colonização suíça e o clima agradável o ano inteiro tem atraído muitas pessoaslumiar ao distrito de Lumiar. Essas características, você também encontra em São Pedro da Serra.

 

Turismo ecológico em Lumiar

Faça caminhadas pelos vales e pelas montanhas em passeios ecológicos, que podem ser feito de jipe. Desfrute de deliciosos banhos de rio ou do rafting no Rio Macaé.

Lumiar é dotada de beleza natural impressionante, com seu ambiente florestal intocado.

O distrito possui inúmeras belezas naturais. Se aventure pelas corredeiras do Rio Macaé, conheça o Encontro dos Rios, visite a Pedra Riscada e aproveite as extensas regiões de Mata Atlântica preservada.

Você pode percorrer as mais de 30 trilhas de jipe, moto, bicicleta ou a pé. Em Lumiar você tem o lugar perfeito para a prática de esportes como a canoagem, o mountain biking, o trekking e a escalada.

Um dos lugares mais visitados é a Cachoeira Indiana Jones. Para chegar até ela, você precisará andar por um córrego com água na altura dos joelhos e depois atravessar um estreito corredor formado por dois paredões de pedra.

O Encontro dos Rios é um lindo lugar onde o Rio Macaé se junta com o Rio Bonito. No Rio Bonito você pode aproveitar o espelho d’água para nadar. Enquanto que as águas do Rio Macaé são ótimas para o rafting.

Nos mês de setembro a cidade hospeda um campeonato de canoagem.

 

Como chegar – MAPA

 

A Vida Noturna de Lumiar

Nada de badalação. Lumiar é o lugar perfeito para descansar e renovar as energias. Os restaurantes charmosos de Lumiar vão encantar você. O Bar do Vovô e a Cozinha do Parador são os mais famosos. A região do centro do distrito de Lumiar é bem animada nos finais de semana.

Aproveite as noites agradáveis ao som de boa música passeando pelas ruas que mostram a colonização suíça no lugar.

Vá até a praça da Igreja de São Sebastião para conhecer o melhor de Lumiar. Aproveite para apreciar o artesanato local e fazer algumas comprinhas.

 

As festas de Lumiar

Visitar Lumiar no período das festas tradicionais é muito melhor. Em janeiro você terá as Festas de São Sebastião. A Festa de São Pedro acontece em junho e no mês seguinte tem a Festa da Vila Mozer. Em 10 de outubro se comemora o aniversário da cidade e isso significa mais festas.

 

Hospedagem em Lumiar

Há algumas opções para se hospedar em Lumiar. Você encontra pequenos hotéis e pousadas. Se você for viajar para lá no período das festas tradicionais, é melhor fazer a sua reserva com bastante antecedência.

São Pedro da Serra

Bom no inverno

Na região serrana, a 170 km de distância da capital do estado, fica São Pedro da Serra, o sétimo distrito de Nova Friburgo.

São Pedro da Serra fica 850 metros acima do nível do mar e isso significa que seus verões são agradáveis e o seu inverno é intenso. O lema da cidade é “Toda a paz do universo”, o que já dá uma dica do que você encontrará por lá.

O turismo na região começou depois da década de 1970. O distrito de São Pedro da Serra ainda é pouco conhecido pelos cariocas. O lugar é uma vila muito encantadora. Conhecer São Pedro da Serra é como ir à Suíça sem precisar pegar um avião.

são pedro da serra

 

Clima bucólico e jeito de cidade do interior

Um passeio pelo centro de São Pedro da Serra traz singelas surpresas. Durante o dia e à noite, as lojinhas ficam abertas e você pode aproveitar para conhecer um pouco do artesanato da região. Visite a Chocoarte quem, além de loja, também funciona como confeitaria.

Não ache estranho o grande número de esculturas de cabras bem divertidas, elas têm uma razão. O Festival das Cabras, que acontece por lá, segue um estilo parecido com o Cowparade que já foi realizado em várias partes do mundo.

Na praça do coreto você vê o povo conversando e observando o vem e vai dos turistas que aparece nos finais de semana.

Nos restaurantes tem música ao vivo com muito forró e MPB até altas horas. A maioria deles se concentra na Rua Major Aguiar, no centro. São Pedro da Serra é bem parecido com o distrito vizinho de Lumiar.

 

Como chegar

 

Aproveite a natureza de São Pedro da Serra

O distrito de São Pedro da Serra faz parte da Reserva Florestal de Macaé de Cima, onde fica a nascente do Rio Macaé. É uma área de Mata Atlântica muito bem preservada e belíssima onde você pode se aventurar.

Por lá você pode fazer caminhadas nas montanhas e nos vales em divertidos passeios ecológicos feitos de jipe. Em São Pedro da Serra você desfruta de revigorantes banhos de rio ou das desafiantes corredeiras do Rio Macaé.

São maravilhosas as trilhas de São Pedro da Serra. E você pode percorrer todas de jipe, de moto, de bicicleta ou mesmo a pé para explorar toda a extensão de natureza a sua disposição. Em São Pedro da Serra você tem locais perfeitos para a prática de esportes como a canoagem, o mountain biking e o trekking.

Visite o Poço Feio, que de feio não tem nada. Lá tem uma pequena praia com 40 metros de extensão e uma pedra usada como escorrega. As águas do Poço Feio são bem tranquilas e límpidas. O Poço Verde leva esse nome por causa da coloração da sua água que fica esverdeada ao refletir a mata do entorno. Um lugar paradisíaco com árvores centenárias.

 

Hospedagem em São Pedro da Serra

Opção é o que não falta por aqui. Há mais de 20 pousadas no distrito de São Pedro da Serra pra todos os gostos e bolsos. A maioria delas fica no centro do distrito, mas não deixam de ter muito verde ao redor.

Volta Redonda

A cidade

Volta Redonda é uma das cidades da região do médio Paraíba, próxima à Serra da Mantiqueira. Ela é vizinha de Barra Mansa e fica bem próxima a Resende. O melhor jeito de chegar à cidade é pela Rodovia Presidente Dutra (BR- 116). São 130 km de distância da capital do estado.

Os primeiros ocupantes “não indígenas” chegaram lá em meados do século XVIII à procura de ouro e pedras preciosas. Na década de 1940, foi chamada de “El Dorado brasileiro” por causa do grande crescimento que a Siderúrgica Nacional trouxe quando foi construída na cidade.

 

“Cidade do Aço”

Assim como as outras cidades da região, Volta Redonda é cercada de Mata Atlântica. A Floresta da Cicuta é uma área de reserva que protege o volta redonda rjmacaco bugio-ruivo.

A cidade fica entre a Serra da Mantiqueira e a Serra do Mar e sua altitude varia entre 350 e 707 metros. A parte mais baixa da cidade fica às margens do Rio Paraíba do Sul, que corta o município ao meio.

Quem gosta de frio, vai adorar visitar a cidade no meio do ano. As temperaturas chegam a 13º C. Mas durante todo o ano o clima é bem agradável.

 

Mapa e como chegar

 

O que ver e fazer em Volta Redonda

Zoológico Municipal

Ele foi oficialmente nomeado como “Parque Municipal da Criança”. O zoológico fica no bairro Vila Santa Cecília, bem próximo à Floresta da Cicuta. Ele tem 100 diferentes espécies de animais numa área verde de 150 mil m².

Mercado Popular

Pra quem gosta daquele tipo de tudo onde se encontra de tudo um pouco. São mais de 90 lojinhas. Ele fica próximo à Praça Brasil, no bairro Vila Santa Cecília. Tem uma praça de alimentação.

Floresta da Cicuta

São mais de 125 mil hectares de mata atlântica. Há vários córregos e cachoeiras. Um lugar paradisíaco. Ela é administrada pelo Instituto Chico Mendes, o mesmo que cuida da Floresta da Tijuca. Fica no bairro Vila Santa Cecília. Em breve será reaberta para visitação.

Memorial 9 de Novembro

Foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer em 1989. O memorial é uma homenagem aos três operários da Siderúrgica Nacional que morreram num conflito com o Exército durante a greve de 1988. O memorial sofre um ataque no dia seguinte à inauguração e foi parcialmente destruído por uma bomba. O próprio Niemeyer pediu que não fosse restaurado e mandou fazer uma placa com os dizeres “Um monumento àqueles que lutam pela Justiça e pela Igualdade”.

Morro Bela Vista

O nome não engana. Ele tem 435 metros de altitude e oferece uma bela vista da cidade com a Usina Presidente Vargas ao fundo. No topo dele há um hotel. Fica no bairro Bela Vista.

Obelisco de Getúlio Vargas

O obelisco foi construído em 1954 como uma homenagem ao ex-presidente Getúlio Vargas. Ele foi considerado o “criador” da cidade de Volta Redonda. Todo o monumento é composto por uma estátua em bronze de Vargas, uma escultura de um operário, duas esculturas de mulheres nuas simbolizando a indústria e a agricultura e um lago artificial. Fica na Praça Brasil.

Varre-Sai

A cidadezinha

No ponto mais ao norte do estado, você encontra o pequeno município de Varre-Sai. Ele faz parte do “Circuito das Águas” e vem investindo no turismo rural e de aventura. Um dos pontos altos do calendário local é o Festival do Vinho.

Varre-Sai Fica próximo à divisa com Minas Gerais e Espírito Santo. São 363 km de distância até a capital do Rio de Janeiro. Essa viagem pode durar mais de 6h, a sugestão é tirar uns dias das suas férias para conhecer este interessante município. O passeio de carro até lá já é parte da diversão, a paisagem é encantadora.

O nome curioso do município faz parte da sua história. No século XIX havia um rancho onde hoje fica a cidade. Ele era usado para pernoite de viajantes mineiros que iam até o Espírito Santo para fazer comércio. A dona do rancho, Dona Inácia, uma velha senhora, só os deixava ficarem porvarre-sai lá com uma condição: que eles varressem o estábulo dos animais antes de saírem. Por causa disso ficou conhecido como “Rancho Varre-Sahe”.

 

Turismo Rural

A herança das antigas fazendas de café do século XIX é celebrada na cidade. Você pode conhecê-las. Varre-Sai recebe seus visitantes com muita hospitalidade. Pra quem procura um lugar para relaxar em meio aos mistérios do passado, as pousadas fora do centro são uma ótima opção.

Em Varre-Sai tem várias adegas. A Adega Pellegrini fica na zona rural e foi tombada como patrimônio imaterial da cidade. Lá se produz vinho de uva e de jabuticaba ao som das rodas de viola. Varre-Sai é conhecida como “a terra do vinho”.

 

Mapa – como chegar

 

Turismo de Aventura

O município fica na Serra da Sapucaia, um prolongamento da Serra do Caparó. Suas alturas variam entre 600 e 1.100 metros. Um dos lugares mais altos do estado. Em Varre-Sai há oito pontos que superam os mil metros de altitude.

Na área do município de Varre-Sai você encontra várias cachoeiras. Na Cachoeira da Prata a queda de 50 metros, e três saltos, é cercada de verde. A formação acidentada cria uma piscina natural ótima para um banho refrescante. A Cachoeira do Pedro Dutra é uma corredeira que desce por 100 metros ao longo do Rio Prata e tem várias piscinas naturais. A Cachoeira Tatão Randolfo é formada por 150 metros de corredeiras pelo Ribeirão Varre-Sai.

Além das cachoeiras, Varre-Sai é perfeito pra quem gosta de trekking, escaladas, motocross e caminhada em montanhas.

Varre-Sai é a rota fluminense de acesso ao Parque Nacional do Caparaó. O parque tem uma área de mais de 31.000 hectares e fica entre Minas Gerais e Espírito Santo. O lugar é muito procurado pelos aventureiros que desejam subir o terceiro pico mais alto do país, o Pico do Bandeira com 2.892 metros de altura.

 

Festival do Vinho e outras festas

O Festival do Vinho é a maior festa de Varre-Sai. Acontece no final de mês de julho e já teve cinquenta edições. São três dias de celebração que para toda a cidade. Tem feira de artesanato, tem concurso da Rainha do Vinho, tem desfile das famílias italianas. Tudo isso regado ao vinho de jabuticaba.

Há também outras celebrações, como a Festa de Cruz da Ana e as festas de abril.

Conservatória

Conhecendo um pouco

No município de Valença, na região do Vale do Paraíba, fica o encantador distrito de Conservatória. São 160 km de distância da cidade do Rio de Janeiro, uma viagem que dura quase 3h. O destino é perfeito pra quem quer descansar longe da agitação e da correria da cidade grande.

O distrito recebe este nome por causa da tradição indígena no local. A área era habitada pelos índios araris, que procuravam o lugar para se recuperar de doenças. Passou a ser chamado “Conservatório dos Índios”. Viajantes da época relataram que eles eram muito elegantes.  Eles permaneceram lá, em paz, até meados do século XIX, quando foram atacados por colonialistas.

Pra quem gosta de lendas urbanas, Conservatória é um prato cheio. Tem histórias de fantasmas e área de pouso de extraterrestres.conservatória

 

O que fazer em Conservatória

Casa da Cultura – O casarão em estilo neoclássico preserva o patrimônio cultural e as tradições de Conservatória e promove diversas exposições e festivais com artistas locais.

Museu da Serenata – A tradição da musica cantada sob o sereno vem desde o século XIX e é preservada por este museu. História de amores embalados pelas serenatas são contos conhecidos por lá. Sextas e sábados, a partir das 23h, tem serenata noite adentro.

Cachoeira da Índia – a pequena queda d’agua fica no Balneário Municipal João Raposo. Lá existe uma escultura em bronze de Vilma Noel. A obra, que na verdade retrata uma entidade marinha, é carinhosamente chamada de “Índia”.

Ponte dos Arcos – Na estrada que liga Conservatória a Santa Isabel do Rio Preto fica uma das únicas pontes da antiga rota do café. Foi construída no final do século XIX por escravos à maneira egípcia. Dizem que é assombrada.

Serra da Beleza – lugar perfeito para repousar e admirar a natureza ou se aventurar. O Pico de Cavalo Russo tem 1.295 metros de altura e o Pico do Pires tem 1.300 meros. É muito procurada por caçadores de OVNI’s.

  • OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Fazenda Florença – Volte ao passado visitando esta bela fazenda colonial. A construção é de 1852 e em seu interior você pode ver o mobiliário original que foi preservado. Lá funciona hoje um hotel, mas também está aberta a visitação.

Cine Centímetro – Outro jeito de voltar ao passado é aproveitar a sessão de sábado que leva à tela filmes antigos americanos dos anos 50 e 60. O cinema tem todo um charme por ser uma réplica do extinto Cine Metro Tijuca da década de 1940 e expor objetos originais dele.

Locomotiva 206 – A antiga locomotiva de 1910, fabricada nos EUA, chegou a Conservatória em clima de festa. Funcionou de até a década de 1940, quando foi substituída por um modelo mais atual. Quase foi destruída, mas moradores locais a salvaram e transformaram um monumento.

Cachoeira Ronco D’água – São três quedas seguidas por piscinas naturais, o salto mais alto tem 9 metros de altura. O acesso ao balneário fica na estrada RJ-143, ele funciona de terça a domingo das 9h às 17h. Ali você pode provar a tradicional Cachaça Barril 39 feita no local.

 

Como chegar – MAPA

São João da Barra

Conhecendo

São João da Barra fica a 315 km da cidade do Rio de Janeiro, na região norte do estado, bem perto do limite estadual com o Espírito Santo. A viagem até lá dura quase 5h, então a sugestão aqui é aproveitar o feriado prolongado para conhecer a cidade.

A cidade é pequena, mas tem muito a oferecer aos turistas, seja por suas belezas naturais seja por sua história bem preservada. Durante o verão é grande o numero de visitantes que aparecem em busca de suas paias.

 

Como chegar

O melhor jeito de chegar a São João da Barra é pela BR-101, passando por Casimiro de Abreu. Este é o caminho mais rápido. A outra opção é pegar asão joão da barra porto BR- 116, mas você vai levar mais ou menos 2h a mais assim.

 

O que fazer em São João da Barra

O município foi criado em 1677, depois que pescadores de Cabo Frio começaram a colonizar a região. Aqui tem muita história para contar. Há diversos prédios históricos para visitar como o Cais da Imperatriz e várias igrejas antigas.

Igreja de São João Batista – Comece pela igreja que deu o nome à cidade. Ela foi erguida em 1630 em homenagem ao santo por um grupo de pescadores, nessa época era de madeira. Passou por reconstruções e reformas e por isso tem influencia de diferentes estilos.

Palácio Cultural Carlos Martins – A casa é do século XIX e pertenceu à família do Coronel Teixeira. Hoje funciona como centro de arte com sala de exposições e uma escola de arte. Por dentro é tão bonito quanto por fora. Vale a pena uma visitinha.

Casa de Cultura João Oscar – O prédio do período colonial abrigou a primeira cadeia da cidade. Hoje lá funciona um Centro de Memória Política. Dá uma passadinha lá pra conhecer essa parte da história.

Centro Cultural Narcisa Amália – Foi construído em 1902 para funcionar como mercado municipal. Agora você encontra por lá cafés literários, cultura popular e artesanato.

 

Ecoturismo

Delta do Paraíba do Sul – O encontro das águas doces do rio com o mar é algo sem igual. As várias ilhas podem ser visitadas através de um passeio de barco. O por do sol por lá é deslumbrante. Aproveite a companhia das garças e desfrute deste pedaço de natureza incrível.

Manguezal – Considerado o mais extenso do estado, ele abriga uma variada fauna.  É uma área de preservação permanente. Foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico da União.  Passeie por suas pontes de madeira e conheça a lenda da “moça bonita”.

Praia do Chapéu do Sol – é muito procurada no verão por ser próxima do Balneário de Atafona. Há quem diga que é um ótimo lugar para contatos de terceiro grau. Tem até uma casa em formato de disco voador.

Praia e Lagoa de Grussaí – Se você gosta de agito no seu verão, essa é a melhor escolha. Por lá acontecem vários shows durante a alta temporada. A lagoa fica na beira da praia, criando um ambiente diferente e divertido.

 

Onde se hospedar

Atafona é um lugar perfeito pra quem vem turistar por São João da Barra. Na área do Balneário tem muita diversão com shows ao vivo. Por lá tem pousadas e restaurantes. Fica bem pertinho do Delta do Rio Paraíba e da Praia do Chapéu do Sol.

 

MAPA

Itaperuna

A cidade

Itaperuna é uma cidade na região norte do estado que faz limite com os estados de Minas Gerais e do Espirito Santo. A pequena cidade é bem pacata e um ótimo lugar para quem quer fugir da correria e relaxar próximo à natureza.

A região, que foi habitada pelos índios puris, passou a ser ocupada por bandeirantes a partir do século XVI. Estabeleceu-se ali a criação de gado e depois o plantio de café. No século XIX, se chamava Freguesia de São José do Avaí, por causa da Guerra do Paraguai.

A cidade fica em uma região de vales e por isso é muito quente durante o verão. Porém, no inverno pode chegar a 15ºC.

O trajeto da cidade do Rio de Janeiro a Itaperuna tem 315 km e pode chegar quase à 6h de viagem. A sugestão é aproveitar um feriado prolongado itaperunapara partir em direção à calmaria.

 

O que fazer em Itaperuna

Itaperuna não é um destino óbvio para turistas. Não tem praia, não tem grandes picos, nem uma emocionante história. Mas há outras coisas que você pode encontrar por lá. O clima bucólico das árvores plantadas em fileiras e o canto dos pássaros à tarde é inspirador. Descanse ao sopé do morro e aprecie a paisagem encantadora.

 

Parque Raposo

As águas terapêuticas de Raposo são muito procuradas. Há 53 anos a fonte começou a ser usada por suas propriedades curativas. O Fontanário Raposo tem três águas diferentes com sabores e propriedades próprias. A água Soledade é aconselhada no tratamento de diversas doenças além da gastrite. Passe por lá e beba saúde!

 

Super Ita

Não é só em Raposo que tem águas especiais. Em Super Ita, você encontra as Águas de Cubatão, que começaram a jorrar em 1920. O lugar é super agradável e afastado do centro urbano. A paisagem repleta de árvores frutíferas destaca-se pelas imensas áreas de pastagem. Ótimo lugar para um pic-nic. Se chover, não tem problema. Lá tem pequenas cabanas para você se abrigar.

 

Cristo Redentor

Talvez você não saiba, mas em Itaperuna fica a segunda maior estátua de Cristo no Brasil. Bem no topo do Morro do Castelo, ponto mais alto da cidade, está o monumento de 20 metros de altura. Foi inaugurado em 1966. De lá a vista pra cidade é de tirar o fôlego. Nas noites de inverno, ele se destaca em meio a nevoa e parece flutuar sobre a cidade.

 

Festa de 10 de Maio

Maio é a melhor época para conhecer Itaperuna. No fim de semana mais próximo do dia 10, toda a cidade para pra festejar por quatro dias a “data magna do município”.  Tem rodeio, tem desfile cívico, tem solenidades, tem shows de música, tem roda gigante e muita comida típica.

 

Festa do Carro de Boi

No fim do mês, mais precisamente no ultimo domingo, acontece a Festa do Carro de Boi. É quase uma semana de festejos que tomam conta de toda a cidade. Fazem concurso de cavaleiros, feira de artesanato e um famoso leilão de prendas.

 

Como chegar (mapa)

Campos dos Goytacazes

Campos e dicas

Campos dos Goytacazes é a maior cidade da região norte do estado. Popularmente conhecida como “Campos”, a cidade fica a 263 km da capital, já próxima do limite estadual com o Espírito Santo.

A região era habitada pelos índios Goytacazes que resistiram por quase 100 anos contra a invasão portuguesa. A colonização começou com a chegada dos Sete Capitães. A cidade, que começou próxima do oceano, foi se desenvolvendo ao longo do Rio Paraíba do Sul.

A planície do Paraíba do Sul tem uma grande riqueza em sua fauna e sua flora. As praias são muito frequentadas por surfistas. A lista de atrativos naturais é grande.

 

Ecoturismo

Pegue um barco e passeie pelas águas do grande Rio Paraíba do Sul.campos dos goytacazes

Pratique ciclismo downhill no Morro do Itacoa com uma das melhores vistas da cidade.

Tenha uma aventura interessante no Parque do Manguezal da Carapeba.

O Rio Bela Joana é um ótimo lugar para canoagem, boia-cross, remo, kitesurf, mergulho, pesca e caminhada.

Visite a bela Praia do Farol de São Tomé, escolha certa pra quem pratica vela, remo, windsurfe, mergulho e kitesurf. Ou você pode só deitar na areia e aproveitar a paisagem.

Conheça também o Parque Natural Municipal de Taquaruçu com um incrível safari fotográfico pela Mata de Bom Jesus.

Se você gosta de escaladas e grandes aventuras vá conhecer o “Dormitório da Mão de Ouro” na Pedra do Garrafão.

Não deixe de ir à Restinga do Xexé, uma área de preservação ambiental que abriga diversas espécies ameaçadas.

O Pico da Pedra Lisa é um lugar peculiar. Mesmo que você não vá para escalar seus 726 metros, passe lá para um agradável pic-nic. A paisagem vale a pena.

Acampe nas margens da Lagoa de Cima e contemple a beleza do céu noturno longe das grandes cidades.

O Rio Preto desce por uma região montanhosa e por isso tem várias corredeiras. Aventura num cenário de tirar o fôlego.

A Cachoeira da Babilônia é lindíssima. Perfeita para arvorismo, rafting, canoagem, rapel e escalada.

 

Mapa de como chegar

 

Turismo Cultural

O Museu Histórico de Campos funciona num charmoso solar do final do século XVIII. Aproveite a visita e pare para tomar um cafezinho.

A Fundação Municipal Zumbi dos Palmares é um espaço rico com exposições de cultura popular que celebram a influência africana no nosso país.

O Museu Barbosa Guerra reúne em seu acervo objetos dos índios Goytacazes e dos africanos que foram trazidos como escravos para trabalhar na produção açucareira.

A Casa de Cultura Villa Maria é linda por dentro e por fora. A edificação de 1918 foi construída para ser apreciada de vários ângulos, isso dá a ela características únicas.

Ao redor da Praça Barão do Rio Branco há um importante conjunto arquitetônico histórico com prédios construídos entre os séculos XIX e XX. Ali é conhecido como o Quadrilátero Histórico de Campos.

A bela Praça do Santíssimo Salvador fica no centro histórico da cidade. Além das belas construções antigas, ali na praça você uma vista especial do Rio Paraíba do Sul.

Não deixe de provar a Traíra Com Farofa, prato típico de Campos dos Goytacazes.

Quissamã

A cidade

Quissamã é um município da região norte do estado, próximo à cidade de Macaé. A pequena cidade tem uma ótima infraestrutura e tem investido no turismo, principalmente no ecoturismo.

São 226 km da capital do estado pela BR – 101 o que rende uma viagem de mais de 3h. Então tire um final de semana ou um feriadão prolongado para aproveitar bem.

 

Origem africana

Quissamã é o único município do estado que tem um nome de origem africana. Conta-se que quando os Sete Capitães chegaram naquela região quissamãencontraram um negro morando entre os índios goytacazes. O homem disse que era um escravo liberto nascido na Nação de Quiçama, na África. No dia seguinte ele sumiu e nunca mais foi visto.

 

Os Setes Capitães

Foi um grupo de militares que receberam terras na região como recompensa por serviços prestados na luta contra holandeses e franceses que tentaram ocupar o Rio de Janeiro. Quando eles chegaram à região recebida, ela estava quase desabitada. Boa parte dos índios goytavazes que moravam lá, havia morrido numa guerra contra os índios cristianizados de São Pedro da Aldeia.

A história deles foi registrada. O Núcleo de Pesquisas e Estudos Socioambientais da UFF lançou recentemente o livro “Roteiro dos Setes Capitães”.

  • SONY DSC

 

Como chegar em Quissamã

Seguir pela BR-101, e entrar para a cidade pegando a RJ-196 até o destino final.

 

O que fazer em Quissamã

Casa da Fazenda Quissamã

A antiga casa é 1826 e serviu de residência para o Barão e Visconde de Quissamã, João Caetano Carneiro da Silva. Com a morte do filho de João Caetano em 1942 e solar foi fechado e ficou abandonado por décadas.

Hoje lá fica o Museu Casa de Quissamã. Fica na RJ-179. s/nº e funciona de quarta a domingo das 10h às 17h. A entrada é gratuita.

 

Lagoa Feia

Ao contrário do que o nome diz a lagoa é na verdade muito bonita. É a segunda maior lagoa de água doce do país, apesar de ter sido reduzida a um terço de área original. Ela fica entre Quissamã e Campo dos Goytacazes. A profundida média dela fica entre um e dois metros, então dá pra nadar por lá tranquilamente.

 

Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba

O parque possui a área de restinga mais bem preservada do país. A vegetação original está basicamente intacta. Ele fica no litoral e tem 44 km de praia. Há também dezoito lagoas. A área do parque é cortada por vários canais, tanto natural quanto artificiais.

O passeio a pé pelas trilhas é gratuito, mas para usar bugres ou outros veículos motorizados há uma taxa de R$5,50. O parque funciona de quinta a domingo e também nos feriados das 8h às 16h.

 

Casa da Fazenda Mandiquera

O imponente solar é um ótimo exemplo do sucesso da produção de açúcar no norte fluminense. Ele foi projeto por um arquiteto alemão e erguido em 1875. Uma alameda de palmeiras imperiais leva você até a construção. A casa tem um jardim de inverno central com chafariz. Todas as vidraças são em vidro alemão. Atualmente a casa está sendo restaurada. O lugar é lindíssimo, vale a pena fazer uma visita.

Fica na Rodovia QSM 006, s/nº.

Casimiro de Abreu

Sobre a cidade

Casimiro de Abreu fica a 135 km da capital do estado, na Região dos Lagos. É conhecida por promover o ecoturismo. Tem serra e tem mar. Com certeza você vai achar lá algo que vai adorar. Rios, cachoeira e praias são as principais atrações aqui.

A relativa proximidade com a cidade do Rio de Janeiro torna Casimiro de Abreu um ótimo destino para o fim de semana e feriados prolongados. Fuga da correria da cidade grande o do stress da rotina e aproveite a natureza.

O nome da cidade é uma homenagem ao grande poeta Casimiro José Marques de Abreu (1839- 1860) da segunda geração do romantismo que nasceu lá. Sua cidade natal serviu de inspiração para vários de seus poemas, como “Canção do Exílio”.casimiro de abreu rj

Casimiro de Abreu fica bem próximo de Rio das Ostras. É bem fácil chegar lá. É só pegar a Niterói- Manilha na saída da Ponte Rio- Niterói e seguir pela BR-101. A viagem dura aproximadamente 2h, sem trânsito.

A cidade possui uma reserva biológica de mais de 5 mil hectares. É a casa da maior população de mico-leão-dourado do Brasil. A Reserva Biológica Poço das Antas funciona somente para pesquisa e não abre para turismo, pois há espécies ameaçadas.

 

O que fazer por lá – Ecoturismo

  • Poço do Pai João – Há duas principais quedas, uma com 3 metros e outra com 5 metros. Suas águas são frias, límpidas e transparentes e formam várias piscinas naturais. Por lá você também pode fazer diversas trilhas ecológicas, passando por cachoeiras pouco exploradas.
  • Rio Macaé– Pra quem procura aventura, esse lugar é perfeito. Fica apenas a 4 km de Casimiro de Abreu. Possui águas claras com temperatura amena e grande número de quedas d’água e corredeiras. Perfeito para a prática de rafting.
  • Trilha no Morro São João – O ponto mais alto da Região dos Lagos tem mais de 780 metros de altura. São 9 km de caminhada meio à natureza onde você pode observar a mata atlântica e os diversos animais que se abrigam ali.
  • Cachoeira Santa Helena – São 19 km de distância de Casimiro de Abreu. Tem aproximadamente 25 metros de altura e apenas um grande salto. As águas límpidas, transparentes e com temperatura amena são propícias aos banhos. A cachoeira está entre uma densa vegetação de alto porte.
  • Cachoeira da Fumaça – A 17 km do Centro de Casimiro de Abreu, a Cachoeira da Fumaça é inesquecível espetáculo da natureza. É um local perfeito para entrar em harmonia com a natureza ainda selvagem. Tem apenas um grande salto de aproximadamente 15 metros de altura. É a queda d’água mais bela da região.

 

Como chegar

 

Barra de São João

Barra de São João é um distrito de Casimiro de Abreu e é banhado pelo mar em toda a sua extensão. Se você não se cansar de toda a experiência da serra e quiser mais aventura, pode correr até o litoral e aproveitar o mar.

 

Carnaval de Marchinha

Desde 2001 este antigo hábito retornou com toda sua glória em Casimiro de Abreu. As bandas são formadas por músicos locais que rodam por toda cidade tocando em praças e bares as antigas músicas que embalaram o carnaval no passado.